A primeira revista da Península

Lançado em 2010 para destacar a história e cultura de Itapagipe, o projeto pioneiro teve quatro edições, distribuídas gratuitamente pelas ruas de Salvador

 

Uma revista que tivesse o jeito da Península de Itapagipe e que, ao mesmo tempo, levasse cultura e informação gratuitas para as pessoas. No dia 29 de março, começam a circular em Salvador três mil exemplares da Grauçá, a primeira revista da Península, um projeto da Quasar Comunica. Para marcar as comemorações dos 461 anos de fundação da capital baiana, estão previstos pontos de distribuição de rua nas praias da Ribeira, Boa Viagem e Porto da Barra, além de pontos fixos como a Faculdade da Cidade, Fundação Pierre Verger (Misericórdia), Postos de Informações Turísticas da Bahiatursa (Mercado Modelo e Pelourinho) e Saltur (Elevador Lacerda). Exemplares também serão encontrados no Colégio São José, na Baixa do Bonfim.

Com diagramação equilibrada entre texto e imagem, a revista bimestral traz na capa uma imagem aérea mostrando a igreja da Penha e as praias do Bogari, feita pelo fotógrafo Nilton Souza. Nas 28 páginas da primeira edição, há um perfil da Itapagipe contemporânea e uma entrevista com Cecy Ramos, autora de “Península de Itapagipe em Quadrinhos”. Fotos da Ribeira Antiga e Contemporânea, e uma crônica bem humorada sobre o comportamento dos usuários de ônibus que trafegam pelas redondezas. A editoria “Filhos da Terra” traz ainda um pernambucano que inventou o Mal-assombrado, o mais famoso mini-trio da região. Há ainda colunas sobre Gestão Humana e Cidadania e um guia de compras e serviços pensado como fonte de consulta para potenciais consumidores, ajudando a aquecer a economia local.

O projeto da Quasar surge também como opção para preencher uma lacuna. A revista se propõe a ir além das matérias informativas sem contexto veiculadas eventualmente pela grande mídia. Mais do que ser local de belas praias e de festas populares, a Península de Itapagipe pode ser considerada uma micro-representação da capital baiana.

 

 

 

2016 © tom correia